>Termos relacionados ao verbo

>Complemento verbal

Os complementos verbais completam o sentido dos verbos transitivos. Estes complementos podem ligar-se ao verbo através de uma preposição ou sem o auxílio dela. Quando há necessidade de preposição, o objeto é dito indireto; quando ela não é necessária, o objeto é dito direto. Alguns verbos podem aceitar ao mesmo tempo um objeto direto e outro indireto. Em alguns casos, por questões de estilo, adiciona-se uma preposição ao objeto direto. Neste caso o objeto direto é dito preposicionado.
Exemplos
• Aviões possuem asas. – Asas é o objeto direto do verbo possuir.
• Gosto de escrever. – de escrever é objeto indireto do verbo gostar.
• Neguei tudo aos impostores. – tudo é objeto direto e aos impostores é objeto indireto do verbo negar.
• Ele ama a Deus – a Deus é um objeto direto preposicionado. Observe que o verbo amar não exige a preposição.
• A avó pediu um pouco de silêncio – ” um pouco de silêncio ” é um objeto direto e ” pediu” é verbo.

Objeto direto
Objeto direto é o termo da oração que completa o sentido de um verbo transitivo direto. O objeto direto liga-se ao verbo sem o auxílio de uma preposição. Indica o paciente, o alvo ou o elemento sobre o qual recai a ação.
Identificamos o Objeto direto quando perguntamos ao verbo: “quem” ou “o quê”.
Exemplos
• Vós admirais os companheiros. – Perguntamos, Vós admirais o quê? A resposta é ‘os companheiros’, que é o objeto direto.
• Nós amamos o cabelo da Gyselle. – Perguntamos: nós amamos o quê? A resposta é ‘o cabelo da Gyselle ‘, que é o objeto direto da oração.
• Maria vendia doces. – Perguntamos: Maria vendia o que? A resposta é ‘doces’, que é o objeto direto.
• Ivano ama Hortência. – Perguntamos: Ivano ama quem? A resposta é ‘Hortência’, que é o objeto direto.
Objeto direto preposicionado
Há casos, no entanto, que um verbo transitivo direto aparece seguido de preposição, que, por sua vez, precede o objeto direto. Nesses casos temos o chamado objeto direto preposicionado.
• Ex: Vós tomais do vinho. -Esta construção se faz da contração de termos como: Vós tomais “parte” do vinho
O objeto direto é obrigatoriamente preposicionado quando expresso:
• por pronome pessoal oblíquo tônico;
• pelo pronome relativo “quem”, de antecedente claro;
• por pronome átono e substantivo coordenados.

Objeto indireto
O objeto indireto é o termo da oração que completa um verbo transitivo indireto, sendo obrigatoriamente precedido de preposição.
Identificamos o Objeto indireto, quando perguntamos ao verbo: “a quem” ou “a quê”. A resposta será o Objeto indireto.
Objeto indireto reflexivo
O objeto indireto reflexivo é o objeto indireto que indica a reflexão da ação do sujeito. Exemplo:
• O dono da casa deu-se o prazer de uma torta.
Exemplos
• Caroline obedece aos pais.( Caroline obedece a quem? Resposta: aos pais, Objeto Indireto.)
• Mariana obedeceu a sua avó( Mariana obedeceu a quem? Resposta: a sua avó, Objeto Indireto.)
• Dolly obedeceu a sua tia ( O Dolly obedeceu a quem? Resposta: a sua tia, Objeto Indireto.)
• Beiçada respeita aos pais.( Beiçada respeita a quem? Resposta: aos pais, Objeto Indireto.)
• Beiçada, o thola obedeceu a Henrique( Beiçada obedeceu a quem? Resposta: a Henrique, Objeto Indireto.)

Adjunto adverbial

O adjunto adverbial é um termo acessório da oração que obrigatoriamente exprime valor circunstancial, podendo modificar um verbo, um adjetivo, ou um advérbio. Pode vir preposicionado ou não.
Exemplo 1: Choveu Ontem – Adjunto Adverbial de tempo.
O termo grifado, no caso, sob uma análise sintática, é um adjunto adverbial, modificando um verbo intransitivo, de sentido pleno, que no caso é o verbo “chover”. Já numa análise morfológica, o termo ontem passa a ser categorizado como um advérbio composto pela própria palavra, ou seja, os adjuntos adverbiais têm que ter obrigatoriamente um advérbio.
Exemplo 2: Divórcio tão profundo – Adjunto Adverbial de intensidade.
O termo grifado, neste caso, modifica o adjetivo profundo
Exemplo 3: Planejamento tão satisfatoriamente estabelecido – Adjunto Adverbial de intensidade.
O termo grifado, neste caso, modifica o advérbio satisfatoriamente
Classificação dos adjuntos adverbiais:
• Assunto;
• Concessão;
• Matéria;
• Meio;
• Lugar (aqui, ali, lá, acolá, acima, abaixo, dentro, fora, longe, perto, em casa, no cinema, etc…; Ex: Fomos ao cinema);
• Tempo (ontem, hoje, amanhã, cedo, tarde, ainda, agora, etc…; Ex: Amanhã, sairemos cedo.);
• Modo (bem, mal, melhor, pior, assim, velozmente e quase todos terminados em mente; Ex: Ela não está bem);
• Intensidade (muito, pouco, mais, menos, bastante, intensamente; Ex: Ele estudou muito);
• Dúvida (talvez, acaso, provavelmente; Ex: Talvez eu vá com você);
• Causa (Ex: A criança morria de frio);
• Finalidade (Ex: Estudava para a prova);
• Instrumento (Ex: Feriu-se com a faca);
• Companhia (Ex: Saiu com os amigos);
• Afirmação (Sim, certamente, realmente; Ex: Certamente sairemos hoje);
• Negação (não, nunca, jamais; Ex: Nunca menospreze seus amigos).

Agente da Passiva

É o termo da oração que complementa o sentido de um verbo na voz passiva, indicando-lhe o ser que praticou a ação verbal.
A característica fundamental do agente da passiva é, pois, o fato de somente existir se a oração estiver na voz passiva. Há três vozes verbais na nossa língua: a voz ativa, na qual a ênfase recai na ação verbal praticada pelo sujeito; a voz passiva, cuja ênfase é a ação verbal sofrida pelo sujeito; e a voz reflexiva, em que a ação verbal é praticada e sofrida pelo sujeito. Nota-se, com isso, que o papel do sujeito em relação à ação verbal está em evidência.
Na voz ativa o sujeito exerce a função de agente da ação e o agente da passiva não existe. Para completar o sentido do verbo na voz ativa, este verbo conta com outro elemento – o objeto (direto). Na voz passiva, o sujeito exerce a função de receptor de uma ação praticada pelo agente da passiva. Por consequência, é este mesmo agente da passiva que complementa o sentido do verbo neste tipo de oração, substituindo o objeto (direto).
Exemplo:
O barulho acordou toda a vizinhança. [oração na voz ativa]
…[o barulho: sujeito]
…[acordou: verbo transitivo direto = pede um complemento verbal]
…[toda a vizinhança: ser para o qual se dirigiu a ação verbal = objeto direto]
Toda a vizinhança foi acordada pelo barulho. [oração na voz passiva]
…[toda a vizinhança: sujeito]
…[foi: verbo auxiliar / acordada: verbo principal no particípio]
…[pelo barulho: ser que praticou a ação = agente da passiva]
O agente da passiva é um complemento exigido somente por verbos transitivos diretos (aqueles que pedem um complemento sem preposição). Esse tipo de verbo, em geral, indica uma ação (em oposição aos verbos que exprimem estado ou processo) que, do ponto de vista do significado, é complementada pelo auxílio de outro termo que é o seu objeto (em oposição aos verbos que não pedem complemento: os verbos intransitivos). Como vimos, na voz passiva o complemento do verbo transitivo direto é o agente da passiva; já na voz ativa esse complemento é o objeto direto. Nas orações com verbos intransitivos, então, não existe agente da passiva, porque não há como construir sentenças na voz passiva com verbos intransitivos.
Observe:
1. Karina socorreu os feridos.
…[verbo transitivo direto na voz ativa]
2. Os feridos foram socorridos por Karina
…[verbo transitivo direto na voz passiva]
3. Karina gritou.
…[verbo intransitivo na voz ativa]
4. Karina foi gritada. (sentença inaceitável na língua)
…[verbo intransitivo na voz passiva]
*Os feridos: objeto direto em (1) e sujeito em (2)
Karina: sujeito em (1) e agente da passiva em (2)
A oração na voz passiva pode ser formada através do recurso de um verbo auxiliar (ser, estar). Nas construções com verbo auxiliar, costuma-se explicitar o agente da passiva, apesar de ser este um termo de presença facultativa na oração. Em orações cujo verbo está na terceira pessoa do plural, é muito comum ocultar-se o agente da passiva. Isso se justifica pelo fato de que, nessas situações, o sujeito pode ser indeterminado na voz ativa. Porém mesmo nesses casos, a ausência do agente é fruto da liberdade do falante.
Exemplos:
1. Os visitantes do zoológico foram atacados pelos bichos.
…[foram: verbo auxiliar / passado do verbo “ser”]
…[pelos bichos: agente da passiva]
2. Nossas reivindicações são simplesmente ignoradas.
…[são: verbo auxiliar / presente do verbo “ser”]
…[agente da passiva: ausente]
3. Cercaram a cidade. [voz ativa com sujeito indeterminado]
A cidade está cercada.
…[está: verbo auxiliar / presente do verbo “estar”]
…[agente da passiva: ausente]
A cidade está cercada pelos inimigos.
…[pelos inimigos: agente da passiva]
O agente da passiva é mais comumente introduzido pela preposição por (e suas variantes: pelo, pela, pelos, pelas). É possível, no entanto, encontrar construções em que o agente da passiva é introduzido pelas preposições de ou a.
Exemplos:
1. O hino será executado pela orquestra sinfônica.
…[pela orquestra sinfônica: agente da passiva]
2. O jantar foi regado a champanhe.
…[a champanhe: agente da passiva]
3. A sala está cheia de gente.
…[de gente: agente da passiva]

Anúncios
Esse post foi publicado em Termos relacionados ao verbo. Bookmark o link permanente.

4 respostas para >Termos relacionados ao verbo

  1. EU adorei que me ajudou no exercicio e nas duvidas desse assunto.

  2. Gabriel Ferreira disse:

    Muito obrigado ! Sem dúvidas muito bem explicado.

  3. Adorei o site!!! Muito bom!!
    Vou indicar 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s